E de repente, estamos novamente no Thanksgiving !!!

E de repente, se passou 1 ano! Me lembro como se fosse ontem de quando escrevi o texto do ano passado…

Normalmente eu agradeço às pequenas coisas que sempre me acontecem, e também digo às pessoas que amo o quanto elas são importantes pra mim. Mas eu acho que nem sempre falo as coisas que devia falar, sempre fica faltando coisas….
2012, foi o ano do caos, pelo menos foi assim que eu o via quando ele começou…

E aí os dias passaram, as coisas foram acontecendo, o trabalho me consumindo o autismo também e nem pude parar pra perceber o tanto de coisa boa que tem acontecido na minha vida… Somente agora, escrevendo esse texto, me dei conta disso!
Bom… Não há como não começar agradecendo à Deus. Pela sua bondade infinita e seu cuidado constante em todos os detalhes da minha vida, todos os dias.
Eu agradeço por, entender que a vida não precisa e não deve ser vivida com tristeza, lamentações e tentativas para algo que percebemos que de fato não vai mudar. Esse entender vai além de apenas pensar, ele esta na atitude de querer viver uma coisa melhor, estar disposta a prender, mesmo sempre errando, esse entender está no perceber e enxergar uma luz lá, bem lá, no fim do túnel. E por isso, percebi que a minha vida não morreu com o casamento que acabou. Não, minha vida esta apenas começando… tenho me permitido vive-la de forma intensa… escorregando mas NUNCA, nem sequer um dia, parando!

Eu também agradeço por perceber que a minha ansiedade não ia me levar a lugar nenhum no que diz respeito ao autismo do meu filho. Ao contrário disso, faço exercícios de respiração quando me vejo numa situação em que ainda sinto duvida de como agir. Ao contrario disso, estudo sobre o assunto, enlouquecidamente, ao invés disso, tenho proporcionado momentos incríveis a ele, adaptando materiais pra ele participar da sua turma na escola, tenho me deixado ser mais moleca e jogado futebol com ele, dançado na sala de noite, permitindo que ele tenha seus momentos de estereotipias vocais e que ele tenha o SEU momento quando ele precisa, eu não permitia esses momentos tão importantes até o ano passado. E que isso não vai mudar NADA na nossa vida.

Eu agradeço por ter ganhado uma cunhada esse ano, a Thyfanny. Meu Deus, quão generoso ele foi conosco. Acredito que ela também tenha ganhado conosco, mas ganhamos uma cunhada amável, carinhosa, dedicada, esforçada, pra frente, esperta, irmã, preocupada, eu agradeço porque pra mim, todas as qualidades dela serão direcionadas ao meu irmão. Que depois do Matheus é a pessoa que eu mais amo! Agradeço ao casal que eles formam, porque pode ser que eu não veja novamente um amor tão incondicional entre um casal como o deles. Agradeço pela felicidade que eles dão ao meu coração por poder observar ele cantando uma musica pra ela no violão… Agradeço a eles por me permitir vivenciar o dia a dia deles e fazer parte desse amor e desse lar que é tão especial.

Eu também não posso esquecer de agradecer aos amigos que ganhei esse ano. Não são amigos que passarão na minha vida à toa. NÂO! São pessoas que fazem a diferença no meu dia a dia. Que estão comigo em todos os momentos, todos eles.
Carolina…você me mostrou que a vida pode estar além do “cantinho”, me fez acreditar que eu era capaz de recomeçar, que eu sou capaz de ser uma boa mãe e também viver a vida e recomeçar…. Sua companhia, todos os dias, fazem o meu dia de fato mais especial. Admiro demais a mulher, profissional, esposa que você é…

E falando em amizades, como não lembrar do grupo que participo de autismo. Não é a tôa que ele se chama autismo família. Sim, la somos acalentadas, direcionadas a pensar e repensar se estamos agindo da maneira certa, la nos sentimos em casa, la somos uma família que fala a mesma língua, que não julga, que não te descrimina. E isso pra mim, é um PRESENTÃO !

Esse ano também foi um ano em que eu preciso agradecer à coragem.. Ô palavrinha difícil de ser executada…. Sim, temos coragem escrevendo, contando pra alguém, mas pra colocar ela em prática é outra historia…
Tive coragem de mais uma vez recomeçar a abordagem terapêutica do Matheus, tive coragem de parar o remédio psiquiátrico que ele tomava e principalmente tive coragem de vencer o maior medo que eu já tive até hoje, que era de dar algum alimento com leite pra ele. Acho que fica difícil colocar aqui no papel o quanto esses itens me prendiam, me paralisavam, me enlouqueciam. SIM, EU TIVE CORAGEM e FIZ ! É isso que importa.

E como não agradecer a ele.. Matheus, meu filhote. Eu não encontrei ainda uma palavra que pode descrever o que eu sinto por ele. Vou tentar descrever um pouco.
1) Morro de alegria quando ele deita e dorme com o bracinho em baixo do queixo pra dormir, com um ar de anjo,
2) Morro de felicidade todas as vezes que o reencontro, pode ter se passado apenas 5 minutos, mas ele sempre vem correndo na minha direção, me abraça me da um beijo e com o olhar sempre me diz: Te amo Mamãe !
3) Morro de alegria quando, juntos almoçamos na mesa um belo strogonoff, e no final ele sai da cadeira e me da um beijo, como se estivesse agradecendo por aquele momento.
4) Morro sufocada, é verdade, mas feliz quando vamos dormir e ele me abraça tão forte, mas tão forte, que meu pescoço fica marcado.
5) Morro de alegria com cada nova novidade de seu aprendizado, como por exemplo, pintar dentro de um espaço, colocar os pratos na mesa pra comermos, me pedir verbalmente o que ele precisa, fazer novos amigos na escola, entre muitas coisas….

Eu acho que é isso, de qualquer forma, pra mim não basta agradecer hoje, somente hoje. Temos que fazer isso diariamente! Temos que saber que o dia de hoje pode ser o ultimo.. Pode ser a nossa ultima chance de dizer a alguém o que queremos e isso pra mim é o que vale.
A frase que define meu ultimo ano é: “A vida começa todos os dias“, por isso meu recado é esse!


Mas, além de mim, alguns amigos queridos me mandaram textos sobre o que representa pra eles essa data, e quero muito dividir com todos vocês que lerão esse texto…
Por Carolina Colaço (minha melhor amiga…),
2012 para mim foi um ano de parada. Eu parei…..parei no tempo, parei em algumas decisões, parei de lutar, parei de estudar, parei com tudo. Por mais que isso soe aos meus ouvidos como algo “não bom”, com essa pausa, sem a pressa de sempre, com a calma que eu deveria ter (e não tenho), eu acredito que consegui olhar melhor algumas coisas e com isso, viabilizar acontecer outras. “Casei”, mudei para uma casa linda com a nossa cara, viajei para Paris em mais uma pausa que aparentemente não seria possível.
Só agora escrevendo esse texto eu me dei conta de que talvez pela primeira vez na vida eu tenha me dado o direito de PARAR….e esse é o meu maior agradecimento. Experimentar essa sensação foi muito bom e me possibilitou viver coisas que não viveria se não tivesse parado.
Por outro lado, ficar parada me fez menos feliz no trabalho e nas minhas conquistas mais pessoais, por isso continuo achando “não bom”. Mesmo assim eu tenho a agradecer pois a partir desse incômodo eu pude estabelecer minha principal meta para 2013: EQUILÍBRIO – Poder me movimentar para realizar meus desejos e poder parar quando preciso.
Além do agradecimento pela minha vida, também agradeço de maneira geral às pessoas que compartilharam das minhas vivências nesse último ano e que me deixaram experimentar um pouco das suas. Acredito muito no aprendizado a partir do outro e eu aprendi horrores. Nessa linha, em particular à você, Gi, agradeço de coração por tornar possível a convivência em um local em que nem sempre é possível ser tão amistoso. Obrigada por me deixar participar das suas alegrias, conquistas, medos e angústias. Obrigada por me apresentar o Matheus, é incrível o aprendizado que as suas experiências e as dele me proporcionaram e fizeram reconhecer a importância de coisas que aparentemente são tão banais. Também lhe admiro pelos mesmos motivos que você à mim, mas com algo à mais que eu reconhecidamente não tenho: a maneira leve de viver a vida…
E que Deus nos abençoe nesse próximo ano!! Amém!!
Amigo é coisa prá se guardar, debaixo de sete chaves, dentro do coração!” – Milton Nascimento
Por Marcelo (marido de uma mulher SENSACIONAL, a Valéria…),
Reverência ao destino
Falar é completamente fácil, quando se tem palavras em mente que expressem sua opinião.
Difícil é expressar por gestos e atitudes o que realmente queremos dizer, o quanto queremos dizer, antes que a pessoa se vá.
Fácil é julgar pessoas que estão sendo expostas pelas circunstâncias.
Difícil é encontrar e refletir sobre os seus erros, ou tentar fazer diferente algo que já fez muito errado.
Fácil é ser colega, fazer companhia a alguém, dizer o que ele deseja ouvir.
Difícil é ser amigo para todas as horas e dizer sempre a verdade quando for preciso.
E com confiança no que diz.
Fácil é analisar a situação alheia e poder aconselhar sobre esta situação.
Difícil é vivenciar esta situação e saber o que fazer ou ter coragem pra fazer.
Fácil é demonstrar raiva e impaciência quando algo o deixa irritado.
Difícil é expressar o seu amor a alguém que realmente te conhece, te respeita e te entende.
E é assim que perdemos pessoas especiais.
Fácil é mentir aos quatro ventos o que tentamos camuflar.
Difícil é mentir para o nosso coração.
Fácil é ver o que queremos enxergar.
Difícil é saber que nos iludimos com o que achávamos ter visto.
Admitir que nos deixamos levar, mais uma vez, isso é difícil.
Fácil é dizer “oi” ou “como vai?”
Difícil é dizer “adeus”, principalmente quando somos culpados pela partida de alguém de nossas vidas…
Fácil é abraçar, apertar as mãos, beijar de olhos fechados.
Difícil é sentir a energia que é transmitida.
Aquela que toma conta do corpo como uma corrente elétrica quando tocamos a pessoa certa.
Fácil é querer ser amado.
Difícil é amar completamente só.
Amar de verdade, sem ter medo de viver, sem ter medo do depois. Amar e se entregar, e aprender a dar valor somente a quem te ama.
Fácil é ouvir a música que toca.
Difícil é ouvir a sua consciência, acenando o tempo todo, mostrando nossas escolhas erradas.
Fácil é ditar regras.
Difícil é segui-las.
Ter a noção exata de nossas próprias vidas, ao invés de ter noção das vidas dos outros.
Fácil é perguntar o que deseja saber.
Difícil é estar preparado para escutar esta resposta ou querer entender a resposta.
Fácil é chorar ou sorrir quando der vontade.
Difícil é sorrir com vontade de chorar ou chorar de rir, de alegria.
Fácil é dar um beijo.
Difícil é entregar a alma, sinceramente, por inteiro.
Fácil é sair com várias pessoas ao longo da vida.
Difícil é entender que pouquíssimas delas vão te aceitar como você é e te fazer feliz por inteiro.
Fácil é ocupar um lugar na caderneta telefônica.
Difícil é ocupar o coração de alguém, saber que se é realmente amado.
Fácil é sonhar todas as noites.
Difícil é lutar por um sonho.
Eterno, é tudo aquilo que dura uma fração de segundo, mas com tamanha intensidade, que se petrifica, e nenhuma força jamais o resgata.
De – Carlos Drummond de Andrade

Até 2013🙂

Gi

One response to this post.

  1. Amei seu texto e sua coragem de traduzir no papel oq muitas de nós sentimos. Adorei te conhecer esse ano Gi, me vi em vários momentos na sua palestra…sei que vamos continuar juntas por anos e anos…talvez mais pertinho ou um pouquinho mais distante fisicamente…mas não tem problema, a era digital afasta qq distância. Conta comigo viu. bjs no coração

    Responder

Deixe uma resposta

Preencha os seus dados abaixo ou clique em um ícone para log in:

Logotipo do WordPress.com

Você está comentando utilizando sua conta WordPress.com. Sair / Alterar )

Imagem do Twitter

Você está comentando utilizando sua conta Twitter. Sair / Alterar )

Foto do Facebook

Você está comentando utilizando sua conta Facebook. Sair / Alterar )

Foto do Google+

Você está comentando utilizando sua conta Google+. Sair / Alterar )

Conectando a %s

TodosSomosSemelhantes

Um pouco mais sobre a nossa vida...

Uma voz para o autismo

Um pouco mais sobre a nossa vida...

%d blogueiros gostam disto: